segunda-feira, 18 de maio de 2009

Onde está a bolinha???


Esse jogo deve ter sido dificil...
PS: Não disse que mal entraria aqui???

terça-feira, 31 de março de 2009

Entrada nos anais dos blogs

Hoje vou tentar começar o que acho que vai ser um fracasso total. E vai ser breve, mas até espero que não. Espero estar errada sobre minhas próprias capacidades e enfim mudar a estatística das coisas que consigo concluir ou ao menos manter. Manter é sempre mais difícil. Há uma orientação budista falando dessa dificuldade das pessoas de começar as coisas muito bem e não conseguir manter seus projetos. A euforia do novo nem sempre dá lugar a essa sabedoria de cultivar bem o que foi iniciado tão bem. Não basta semear, é preciso cultivar seus plantios, valorizar suas conquistas e se preparar para as grandes vitórias que a vida sempre traz. Mesmo quando a gente tá mais ocupado em lamentar o que não conseguiu realizar, ao lado dos nossos fracassos sempre tem grandes vitórias. Basta só ter olhos sábios e um coração empreendedor para ser vencedor!

segunda-feira, 30 de março de 2009

Estatuto do Homem (Thiago de Melo)


Artigo I

Fica decretado que agora vale a verdade. Agora vale a vida, e de mãos dadas,marcharemos todos pela vida verdadeira.

Artigo II

Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais cinzentas, têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

Artigo III

Fica decretado que, a partir deste instante, haverá girassóis em todas as janelas, que os girassóis terão direito a abrir-se dentro da sombra; e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro, abertas para o verde onde cresce a esperança.

Artigo IV

Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar,como o ar confia no campo azul do céu.

Parágrafo único: O homem, confiará no homem como um menino confia em outro menino.

Artigo V

Fica decretado que os homens estão livres do jugo da mentira. Nunca mais será preciso usar a couraça do silêncio nem a armadura de palavras. O homem se sentará à mesa com seu olhar limpo porque a verdade passará a ser servida antes da sobremesa.

Artigo VI

Fica estabelecida, durante dez séculos, a prática sonhada pelo profeta Isaías, e o lobo e o cordeiro pastarão juntos e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.

Artigo VII

Por decreto irrevogável fica estabelecido o reinado permanente da justiça e da claridade, e a alegria será uma bandeira generosa para sempre desfraldada na alma do povo.

Artigo VIII

Fica decretado que a maior dor sempre foi e será sempre não poder dar-se amor a quem se ama e saber que é a água que dá à planta o milagre da flor.

Artigo IX

Fica permitido que o pão de cada dia tenha no homem o sinal de seu suor. Mas que sobretudo tenha sempre o quente sabor da ternura.

Artigo X

Fica permitido a qualquer pessoa, a qualquer hora da vida, uso do traje branco.

Artigo XI

Fica decretado, por definição, que o homem é um animal que ama e que por isso é belo, muito mais belo que a estrela da manhã.

Artigo XII

Decreta-se que nada será obrigado nem proibido, tudo será permitido, inclusive brincar com os rinocerontes e caminhar pelas tardes com uma imensa begônia na lapela.

Parágrafo único. Só uma coisa fica proibida: amar sem amor.

Artigo XIII

Fica decretado que o dinheiro não poderá nunca mais comprar o sol das manhãs vindouras. Expulso do grande baú do medo, o dinheiro se transformará em uma espada fraternal para defender o direito de cantar e a festa do dia que chegou.

Artigo Final.

Fica proibido o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários e do pântano enganoso das bocas. A partir deste instante a liberdade será algo vivo e transparente como um fogo ou um rio, e a sua morada será sempre o coração do homem.

A Menina Cresceu


e αρrendeu α se virαr sozinhα, α ver α vidα do seu jeito, αρrendeu α ver quem são αs ρessoas que α fαzem bem, αs que α fαzem mαl, e αs que não fαzem simplesmente nαdα. αρrendeu que o que reαlmente vαle α ρenα é o momento vivido, que deρois, ele ρode não no ter α mesmα intensidαde. αρrendeu α continuαr de cαbeçα erguidα, α lutαr ρelαs coisαs que αcreditα e α chorαr ρelαs coisαs que elα ρerdeu. αρrendeu α ver que há certαs coisαs nα vidα que o temρo nαo αραgα, mαs que outrαs, por mαis que demore, ele αραgα sim, αρrendeu que não ρode exigir o αmor de ninguém, αρenαs dαr boαs rαzões ραrα que gostem delα e ter ραciênciα, ραrα que α vidα fαçα o resto,αρrendeu α ouvir críticαs, e elogios, α criticαr e elogiαr, αρrendeu α seguir seu corαção, αntes de seguir quαlquer outrα coisα, viu que α vidα não é o cαstelo encαntαdo que elα ρensou ser, mαs ρode se tornαr melhor que isso se elα souber viver ..e então elα pαssou α αcreditαr nelα mesmα.."

A Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera

"É errado, portanto, censurar um romance que é fascinante por suas misteriosas coincidências (...) mas é certo censurar o homem que é cego a essas coincidências em sua vida diária. Pois sendo assim, ele priva sua vida de uma nova dimensão de beleza"
"Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu."